Collem zera taxas de absenteísmos relacionados à doenças e acidentes de trabalho.

 ÍNDICE DE ACIDENTES ANUAL E TAXA DE ABSENTEÍSMO OCUPACIONAL

A construção civil é um dos segmentos que mais registram acidentes de trabalho no Brasil, o primeiro em incapacidade permanente, o segundo em mortes (perde apenas para o transporte terrestre) e o quinto em afastamentos com mais de 15 dias, segundo a ANAMT (Associação Nacional de Medicina do Trabalho).

Conforme relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), os maiores desafios à saúde do trabalhador estão relacionados à saúde ocupacional, à crescente morbidade e as ocorrências de novas doenças ocupacionais de várias origens, assim como, os afastamentos por licença médica.

Contrariando todas as estatísticas, a Collem tem orgulho em dizer que nos últimos 5 anos zerou as suas taxas de absenteísmos relacionados à doença do trabalho e zerou também seu índice de acidentes de trabalho.

Entendemos que isto ocorreu devido aos mecanismos de contínuo aperfeiçoamento de nosso SESMT (Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho). Utilizamos a auditoria interna como uma ferramenta permanente na gestão de Saúde e Segurança do Trabalho (SST), inserida principalmente em processos de verificação, ajustes, planejamento e execução das ações.

Percebemos que as causas de ausências no trabalho são multifatoriais e estão relacionadas a riscos ocupacionais de ordens físicas, químicas, biológicas, ergonômicas, mecânica, assim como de ordem psicológica e social, condições de trabalho e políticas organizacionais.

O absenteísmo é, portanto, um importante indicador, não somente para o perfil de adoecimento, mas também das condições de trabalho, do clima organizacional e do quanto o trabalhador está comprometido.

Isso demonstra a importância das práticas para além da análise dos fatores determinantes e condicionantes dos agravos à saúde relacionados aos processos e ambientes de trabalho. É preciso conhecer, pesquisar e analisar os impactos decorrentes das transições demográficas, epidemiológica e nutricional nos trabalhadores, buscando intervenções também sobre esses aspectos de forma a eliminar ou controlar agravos e doenças.

Reconhecemos também os riscos ergonômicos e atuamos em sua redução como estratégia de melhoria na qualidade de vida do trabalhador e contenção do absenteísmo e acidentes de trabalho. Agimos também na gestão das limitações laborativas apresen­tadas pelos trabalhadores, permitindo que os mesmos se mantenham em atividade, com qualidade.

Em face da incontestável pertinência do assunto envolvendo saúde e segurança do trabalho, seja pelo prejuízo humano quando ocorrem doenças ou acidentes, seja pelo prejuízo material que beira 4% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial, podemos afirmar que o SESMT tem papel importante na reversão da alta sinistralidade no ambiente laboral.

Por isso investimos em nosso SESMT, para que ele busque conhecimento, melhore sua percepção e consiga combater as patologias no local profissional com medidas preventivas, gestão de riscos e orientações aos trabalhadores.

A Collem define e prioriza estratégias e ações que promovam a saúde e o bem-estar no trabalho, definindo e executando ações efetivas nas áreas e setores com maior risco de absenteísmo-doença. Com essas ações é possível reduzir impactos biopsicossociais, colaborando com a integridade do trabalhador no local de trabalho e contribuindo para assegurar a força de trabalho de seus empregados.