Os dados da Sondagem da Indústria da Construção de Minas Gerais de agosto apontaram avanço da atividade do setor, o que não ocorria há quase sete anos O indicador de número de empregados cresceu em relação a julho e acumulou aumento de 9,4 pontos de janeiro a agosto, mostrando recuo menos acentuado do emprego na Construção. Para os próximos seis meses, as expectativas quanto à atividade, à oferta de novos empreendimentos e serviços e ao número de empregados foram positivas, embora menos otimistas na comparação com a leitura anterior. As intenções de investimento aumentaram em setembro, e foram as mais elevadas para o mês desde o início da série histórica, em 2013.

Desempenho da indústria da Construção mineira

O índice de atividade da Construção cresceu 3,8 pontos frente a julho (46,7 pontos) e atingiu 50,5 pontos em agosto O indicador ultrapassou os 50 pontos limite entre recuo e expansão e passou a sinalizar aumento da atividade, o que não ocorria desde outubro de 2012 (52,7 pontos). O índice ficou 1,0 ponto acima do observado em agosto de 2018 e foi o mais elevado para o mês em sete anos. O indicador de nível de atividade em

 relação ao usual marcou 38,9 pontos em agosto, o maior patamar em cinco anos O índice avançou 8,7 pontos na comparação com julho 30,2 pontos e 10,4 pontos em relação a agosto de 2018 28,5 pontos).

Apesar da melhora expressiva, o indicador permaneceu inferior aos 50 pontos, revelando atividade abaixo da habitual para o mês. O índice de evolução do número de empregados aumentou 4,4 pontos entre julho 45,1 pontos) e agosto 49,5 pontos mostrando recuo menos intenso do emprego na Construção O indicador cresceu 2,3 pontos em relação a agosto de 2018 47,2 pontos e foi o mais elevado desde junho de 2014 (50,5 pontos).

Expectativas da indústria da Construção mineira1

Os índices de expectativa informam as perspectivas dos empresários com relação à atividade, à compra de insumos e matérias-primas, aos novos empreendimentos e serviços e ao número de empregados nos próximos seis meses. Valores acima de 50 pontos apontam expectativas de crescimento.

O indicador de expectativa de nível de atividade registrou 51,8 pontos em setembro. Ao ficar acima dos 50 pontos – fronteira entre queda e elevação – o índice revelou que os empresários preveem avanço da atividade nos próximos seis meses. Contudo, o indicador recuou 2,3 pontos frente a agosto (54,1 pontos), mostrando um arrefecimento do otimismo dos construtores. Na comparação com setembro de 2018 (46,2 pontos), o índice aumentou 5,6 pontos, e foi o mais elevado para o mês em sete anos.

O indicador de compra de insumos e matérias-primas marcou 51,2 pontos em setembro, queda de 2,4 pontos em relação a agosto (53,6 pontos), sinalizando um otimismo mais moderado dos empresários do setor. O índice avançou 5,5 pontos frente a setembro de 2018 (45,7 pontos) e foi o maior para o mês em sete anos. O indicador de expectativa de novos empreendimentos e serviços registrou 50,5 pontos em setembro, recuo de 1,0 ponto ante agosto (51,5 pontos). Apesar da retração mensal – a segunda consecutiva – o índice permanece acima dos 50 pontos desde junho, mostrando perspectiva de aumento dos novos empreendimentos e serviços. O indicador cresceu 4,2 pontos frente a setembro de 2018 (46,3 pontos) e foi o mais alto para o mês em sete anos.

O índice de evolução do número de empregados caiu 2,6 pontos entre agosto (53,2 pontos) e setembro (50,6 pontos). Mesmo apresentando variação mensal negativa, o indicador continuou acima dos 50 pontos pelo décimo mês seguido, o que revela expectativa de avanço das contratações no curto prazo. O índice aumentou 6,8 pontos frente a setembro de 2018 (43,8 pontos) e foi o maior para o mês em sete anos.

Intenção de investimento2

Após recuar em agosto, o indicador de intenção de investimento cresceu 6,5 pontos e registrou 40,4 pontos em setembro. O índice, que chegou a atingir 47,4 pontos em fevereiro, vem oscilando entre quedas e aumentos ao longo do ano. O indicador também avançou frente a setembro de 2018 (28,0 pontos), em expressivos 12,4 pontos.

¹Índices variam no intervalo de 0 a 100 pontos. Valores acima de 50 pontos indicam expectativa de crescimento.
²Índice varia de 0 a 100 pontos.  Quanto maior o índice, maior a propensão a investir dos empresários da construção.

Saiba mais

A Sondagem da Indústria da Construção de Minas Gerais é elaborada pela Gerência de Estudos Econômicos da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG) em parceria com o Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG).

Fonte: http://www.sinduscon-mg.org.br/